Recentemente, li um trabalho de pesquisa fascinante sobre musicoterapia para crianças com ASD. Houve alguns artigos sobre os efeitos da intervenção musical no ASD, e a maioria relata mudanças positivas no envolvimento emocional e na comunicação social. No entanto, este artigo recente é o primeiro a relatar como o cérebro pode ser afetado pela intervenção musical.

Como o estudo foi projetado
Sharda e seus colegas compararam uma intervenção musical a uma intervenção de controle não musical em crianças em idade escolar (6-12) com TEA. 26 crianças participaram da intervenção musical e 25 crianças diferentes participaram da intervenção não musical. Ambas as intervenções se reuniram semanalmente por 45 minutos e foram realizadas por 8-12 semanas. Antes e depois de ambas as intervenções, os pesquisadores mediram comportamentos (como comunicação social, comunicação verbal e qualidade de vida da família / estresse parental) e atividade cerebral usando rsfMRI. A fMRI permite aos pesquisadores medir os níveis de atividade cerebral em várias partes do cérebro. Neste estudo, os pesquisadores mediram a conexão e comunicação entre diferentes áreas do cérebro. O “rs” em rsfMRI significa “estado de repouso” e significa que a atividade cerebral foi medida enquanto as crianças foram colocadas no scanner passivamente (por exemplo, enquanto “descansando”).

Por que o interesse em comunicação / conexão entre as áreas do cérebro? Porque há uma longa história de achados neurocientíficos para sugerir que as diferenças nas conexões entre as áreas do cérebro são uma característica do ASD. Algumas descobertas sugerem que as áreas do cérebro estão excessivamente conectadas no ASD, enquanto outras sugerem que a conexão entre as diferentes áreas do cérebro não é suficientemente forte no ASD. Acredita-se que essas diferenças na conectividade sejam parcialmente responsáveis ​​por dificuldades na comunicação verbal e social observadas no TEA e também podem desempenhar um papel na sensibilidade sensorial.

Quais foram os resultados?
Comportamentalmente, melhorias foram vistas na comunicação, responsividade social e qualidade de vida da família para crianças na intervenção musical versus a intervenção de controle. Os resultados da neurociência foram igualmente promissores. Para as crianças na intervenção musical, houve aumento de conexões entre áreas do cérebro responsáveis ​​pelo processamento auditivo e áreas motoras subcorticais. Para as crianças na intervenção musical, também houve diminuição das conexões entre as áreas de processamento auditivo e visual.

Cérebro e Comportamento
A parte mais interessante dos achados da neurociência é que as diferenças na atividade cerebral estavam relacionadas a melhorias nas medidas comportamentais. Por exemplo, a força da conexão entre as áreas auditiva e motora depois foi significativamente relacionada a melhorias na comunicação social. Ou seja, as crianças que tiveram os maiores aumentos na conexão cerebral entre as áreas auditivas e motoras também apresentaram as maiores melhorias comportamentais na intervenção de resposta. Da mesma forma, as crianças que tiveram conexões diminuídas entre as áreas auditivas e visuais do cérebro mostraram mais melhorias na comunicação social.

O que isto significa?
Qual é o resultado deste estudo? Eu acho que existem algumas mensagens importantes aqui.

1. Intervenções musicais podem melhorar a comunicação social em crianças em idade escolar com ASD. Intervenções musicais e musicoterapia têm sido vistas como uma terapia “alternativa”, e não foram prontamente aceitas pela comunidade científica. Esta pesquisa apóia a intervenção musical como um caminho promissor para melhorar a comunicação social em ASD. Espera-se que este tipo de trabalho leve a uma maior disponibilidade de provedores de intervenção musical, cobertura de seguro e mais financiamento para pesquisa para este tópico, para que mais pesquisas possam ser conduzidas.

2. A intervenção musical não só melhora o comportamento – também afeta a força das conexões entre as áreas do cérebro, e essas mudanças de conexão estão relacionadas a melhorias comportamentais na comunicação social. Isso é empolgante, porque aponta para o motivo pelo qual a intervenção musical pode estar funcionando. Por exemplo: diminuições nas conexões entre as áreas auditivas e visuais do cérebro podem estar ajudando com a sensibilidade sensorial no TEA, o que pode levar a melhorias nas habilidades sociais. É possível que a sensibilidade sensorial atrapalhe a comunicação social no ASD. Imagine que você está tentando falar com alguém, mas sua voz é incrivelmente alta, estridente e irritante. Além disso, as luzes da sala estão machucando seus olhos, e há um tipo constante de ambulância lamentando lá fora. Quão fortes seriam suas habilidades de comunicação social nessa situação? Meu palpite é que suas habilidades de comunicação social diminuiriam devido a toda a superestimulação sensorial. Este pode ser o caso no ASD. É possível que, se pudermos ajudar com sintomas sensoriais, as habilidades sociais melhorarão.

 Estou entusiasmado com a intervenção musical como um novo caminho para ajudar as crianças com ASD, e estou ansioso para ler mais sobre isso e contribuir para futuros esforços de pesquisa!